quarta-feira, 24 de maio de 2017

20º Iberovespa - São Pedro do Sul


http://iberovespa2017.vespaclubelisboa.pt/

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Já viram esta campanha da Vodafone Itália?



terça-feira, 16 de agosto de 2016

Por estradas nunca antes percorridas: a Toscana - From Lisbon to Croatia - posta 9

E nesta etapa, a penúltima antes de embarcarmos novamente no ferry, desta vez de Itália para Croácia e última dormida em Itália, partimos de Livorno rumo a... algures no centro de Itália. No dia seguinte apenas teríamos de chegar a Ancona ao final do dia, portanto poderíamos dividir em Itália em dois e desfrutar das belíssimas estradas secundárias da Toscana.

From Lisbon to Croatia - dia 7 - Toscana
Eis a Toscana!

Depois de uma limpeza à "nossa casa", fomos tomar o pequeno-almoço com os nossos anfitriões. O calor tinha voltado, em força e as esplanadas estavam cheias. A vontade de vestir casacos e luvas e partir sobre o sol forte era pouca.

Na noite anterior tínhamos tido pouca vontade de ver mapas. Diga-se que mesmo que a tivéssemos, a capacidade de memorizar locais, cruzamentos e itinerários era pouca. Até porque, como já disse em cima, tínhamos que atravessar Itália até Ancona o que perfazia apenas uns quatrocentos quilómetros. Em linha recta era menos mas não há estradas (principais) que atravessem próxima dessa recta o que nos obrigava a ir a Florença e Bolonha, sendo o caminho mais próximo. Tínhamos visto isso mas não o iriamos fazer. Há um sem número de estradas brancas interessantes e o Meo Drive iria auxiliar-nos nisso. Há que ir e sem destino ainda melhor!

Sem vontade, com calor e com as devidas despedidas e agradecimentos, partimos.

From Lisbon to Croatia - dia 7 - Toscana
From Lisbon to Croatia - dia 7 - Toscana
From Lisbon to Croatia - dia 7 - Montefioralle
Estradão, fora de estrada, estradão fora de estrada. E aldeias, vinhas, quintas. E Ape, Fiat e Alfa Romeo.
Não sei precisar onde saímos para as estradas secundárias com precisão. Sei que fomos até Pontedera pela estrada que já tínhamos feito no dia anterior e que depois disso saímos para a verdadeira Toscana!

Também não consigo precisar quando é que percebemos que o Meo Drive era bom – para nós – quando colocámos os destinos em modo pedestre. Pois, isso mesmo, os melhores caminhos fizemo-los graças a isso, graças a colocarmos na aplicação "A pé" e não "De carro".

Como vos explicar que foi memorável?

Pelo reduzido número de fotos deste dia, sinal de que pouco parámos para as fazer? Pelo grande número de pequenos vídeos que fizemos – e que deu um trabalhão ao Rui escolher os melhores para fazer o vídeo deste dia? Pela sensação de estarmos dentro de um filme italiano dos anos 50 / 60? Que por estradas secundarias, por fora de estrada, por caminhos atravessámos metade de Itália? Pelas vinhas, pelas quintas, pelos castelos, pelas aldeias de pedra e tijolo, enfeitadas com sardinheiras rubras? Pelos Apes com que nos cruzámos, no seu local de eleição e na sua função utilitária?

From Lisbon to Croatia - dia 7
O almoço e o brinde com cerveja geladinha
Almoçámos num café / minimercado de beira de estrada numa pequena localidade. Não era um restaurante, tinha apenas comida pronta, maioritariamente massas, saladas e conservas mergulhadas em azeite. Experimentamos de tudo um pouco; com a simpatia do costume, por virmos de Vespa de Portugal e irmos para a Croácia, etc e tal fizeram-nos um preço e atenção especial. E aquele azeite... E aquelas cervejas...

Lá nos custou a arrancar novamente. Continuava o calor e a barriga cheia é inimiga da vontade de partir. A cerveja não que evaporava fácil e rapidamente. E continuámos. Na primeira metade do dia tínhamos feito estradas secundárias mas de alcatrão, nesta tarde embrenhámo-nos ainda mais no conceito de "caminho secundário", por estradões, caminhos agrícolas e tudo o que o modo pedestre do Meo Drive nos indicou.

As nuvens começaram a ser presença. Primeiro brancas e esparsas, mais negras e constantes, depois. Chegámos a Montefioralle e resolvemos parar, refrescar. Percorremos as ruas, tiramos boas fotos e sentamo-nos nos bancos da praça. Porque ao longe se via a tempestade. E a chuva. E uns adormeceram e os outros foram-se por a admirar o cenário na esperança que a coisa se tornasse fraca e afastasse. Só que a tempestade não se estava a afastar, estava a vir de encontro a nós e estava feia! Partimos de fatos de chuva e à espera dela.

Chegados próximos de Arezzo, começou a chuviscar. Mais forte. Ainda mais forte. Fortíssimo. Dilúvio! Salvou-nos uma bomba de gasolina onde nos abrigámos e onde já inúmeros locais estavam a fazer o mesmo que nós. Outros chegaram depois, completamente encharcados. Estivemos ali umas boas duas horas. E nisto sempre, sempre, sempre uma bátega de água impressionante. Num instante as estradas se tornaram rios e o tráfego de hora de ponta ficou ainda mais caótico.

A chuva fraquejou, as ruas tornaram-se nisso novamente e resolvemos partir. Já tínhamos reservado alojamento em Città di Castello ainda faltava uma boa metade do caminho, já estávamos no final do dia, não podíamos esperar mais pelo passar da chuva. Não sabíamos bem onde era o alojamento que era fora da localidade principal, de noite tornar-se-ia ainda pior encontra-lo.

Ainda apanhámos umas réplicas da bátega a que nos tínhamos escapado, menos duradouras mas igualmente intensas. Resistimos como conseguimos mas chegámos ao destino molhados, impossível não meter água.

From Lisbon to Croatia - dia 7 - Toscana
Ai a Toscana, ai estes estradões...
Fomos ao centro de Città di Castello para tentar apanhar o caminho. Nada, não era por ali. Entrou novamente o Meo Drive em acção e depois de umas idas e voltas lá encontrámos o caminho, por uma serra acima e ainda a uns dez / vinte quilómetros de onde estávamos. Por uma estrada asfaltada, com curvas apertadas, saímos da estrada entrámos num estadão e desembocámos, entre campos e muros de pedra no destino: uma quinta no meio do nada em que as pequenas casas de arrumos tinham sido convertidas em alojamento. A receber-nos um cão enorme – mas que se revelou amistoso e a querer festas – e a senhora com que o Rui tinha trocado emails. Pareceu-nos um local bonito mas com o tempo escuro e a pouca luz natural do final do dia e a vontade de mudar de roupa e vestir uma seca, apressou-nos para os aposentos. Estendemos tudo, colocámos os gadgets electrónicos a carregar e fomos jantar.

Tivemos que nos apressar para ir jantar "lá abaixo". Já era tarde e a nossa anfitriã deu-nos umas dicas onde irmos àquela hora, sem grandes alternativas por ser tarde.

Jantámos dentro das muralhas da vila, numa trattoria toda catita - para o caso de lá passarem, Trattoria Lea - e comemos carnes; estávamos esganados e com vontade de um bifinho. Bebemos um chianti e, para sobremesa, uma panna cotta maravilhosa daquelas que só se comem em Itália. Jantámos bem! E brindámos a mais um dia de viagem, da viagem.

Depois demos uma volta, vagueamos novamente pelas ruas sem grande destino. Acabámos por ir ter a uma gelataria e, em Itália sê Italiano, vai mais um gelado para desenjoar. Devia ser um dos últimos pontos abertos na redondeza pois estava cheio de "malta do bairro" a confraternizar.

E voltámos às Vespas e daí à quinta pelo mesmo caminho que tínhamos feito. A chuva entretanto tinha parado, estava húmido e fresco mas no meio da serra, estava frio, bastante frio. Uns foram logo deitar-se, outros ainda foram para perto da casa principal onde havia wifi para actualizar a página com algo do dia. Não por muito tempo. Estávamos cansados do fora de estrada, mortos por estender o corpo no colchão.

O mapa do dia

Foi este sensívelmente o nosso percurso no sétimo dia de viagem. É difícil encontrar as estradas e estradões por onde andámos...



quarta-feira, 1 de junho de 2016

Uma Lambretta das novas



'tão linda...
Parece um brinquedo mas é verdadeira!

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Livorno, Museo Piaggio (Pontedera) e Pisa - From Lisbon to Croatia - posta 8

From Lisbon to Croatia - dia 6 - Livorno
A primeira chuva da viagem
Estava prevista chuva naquele dia para Livorno e por isso tínhamos decidido ficar mais um dia por ali. Até porque o Museo Piaggio em Pontedera era relativamente perto e Pisa também, dois sítios que, um obrigatório, o outro curiosidade, queríamos ver. E não falhou, amanheceu mesmo chuvoso. Mas à medida que nos fomos afastando de Livorno, a chuva foi ficando mais fraca e o céu a clarear até ficar completamente para trás e um calor que nos queimava debaixo dos fatos de chuva.

Chegamos a Pontedera secos e com o sol a brilhar novamente, transpirados e com enorme vontade de parar e apanhar uma sombra.

O Museo Piaggio é quase como a Mecca dos vespistas, pelo menos uma vez na vida é obrigatório lá passar. E nós estivemos em posição privilegiada porque passar pela casa mãe montados nas nossas Vespas, é para alguns, não é para todos!

Tínhamos à nossa espera o Marco Rizzini, relações públicas da Piaggio que tinha entrado em contacto connosco porque tinha visto a nossa página do Facebook. No dia a seguir iria partir para o Vespa World Days, na Croácia a rolar na sua Vespa GTS mas fez questão de nos receber e fazer uma visita guiada ao Museo e nós fizemos questão de retribuir e sermos recebidos e guiados por ele.

From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
Museo Piaggio, Pontedera - vistas interiores

Assim que se entra no Museo... sentimo-nos pequeninos. Um universo de Vespa, Gilera e demais mais motos do grupo, provas desportivas, records vários, aviação, comboios tudo: o universo Piaggio! Claro que a nós interessava a parte Vespa e foi com os vários modelos em exposição – alguns que só tínhamos visto em fotos – e com explicações de provas desportivas feitas e recordes batidos que ficámos maravilhados. Tivemos ainda a sorte de encontrar um dos personagens desses feitos que nos contou na primeira pessoa algumas histórias.

From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
Museo Piaggio, Pontedera - à saída, as histórias, Vespas e APE das voltas ao mundo...

À saída e como se ainda faltasse alguma coisa, vimos Vespas como as nossas que tinham feito voltas ao mundo, voltas à Améria do Sul, voltas a África e um APE que foi até Beijing. Afinal eramos uns meninos. Ir de Lisboa à Croácia e voltar, face àqueles mapas e aquelas Vespas com milhares de quilómetros por territórios inóspitos, feitos no conforto da nossa Europa, ficou assim uma aventura mais pequenina, deu-nos no entanto umas ideias... ideias, só ideias... ideias... temos que nos mentalizar que foram só ideias... irrealizáveis. Só ideias!

From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Museo Piaggio
Museo Piaggio, Pontedera - fotografias da praxe: as Vespas, nós a as Vespas e o nosso Vespa Clube de Lisboa e todos com o nosso anfitrião Marco Rizzini

Assinaturas deixadas no livro de honra, fotos da praxe, troca de recordações e saiamos com o ego cheio mas com a barriga a dar horas. Comemos por ali mesmo e refrescamo-nos que o calor abrasador tinha voltado.

Dali partimos para Pisa. Aproveitando o “dia de folga” queríamos ver a torre inclinada. E porque é que tinha tanta fama.

From Lisbon to Croatia - dia 6 - Pisa
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Pisa

From Lisbon to Croatia - dia 6 - Pisa
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Pisa
Fazer figurinhas de turista: obrigatório e a torre inclinada (não, a foto não está torta)
Pisa foi destino só mesmo para ver a torre mas, no caminho que percorremos, pareceu-nos que de facto tirando isso pouco mais há que ver. Os autocarros com magotes de turistas, todos dirigindo-se ao mesmo, assim nos diziam também. Estaremos errados por defeito e temos mais gosto nisso do que o contrário mas de facto tudo se canaliza para a torre.

E a torre... é giro, está inclinado e tal mas é isso. Tem também uma igreja nas proximidades que se inclina igualmente porque o terreno move-se e cede e as construções cedem também e a magia está aí, vão-se inclinando lentamente. Vale a pena lá ir para se ficar a conhecer mas parece-nos uma fama mais feita do que merecida mas tem o mérito pelo menos da preservação que aquele marco turístico obriga. Vale a pena lá ir também para ver o making off das fotos que se vêem pelo mundo fora de pessoas que tentam segurar a torre com as mãos. Que giro!

Carimbado mais este ponto turístico no nosso roteiro era tempo de regressarmos a Livorno. Até porque tínhamos em mente o primeiro mergulho a sério no mediterrâneo.

E mesmo ao final do dia, aconteceu. Calignaia. Indiscritível! Completamente sós no fim de tarde quente, um pôr-do-sol laranja, a água transparente, a serra verde a mergulhar naquele azul-turquesa, a ponte, aquela casa no topo do monte, só, recortada e nítida, aquela água, o som do doce ondular calmo... não queríamos sair dali! Mas estava a ficar de noite, o fresco substituiu o calor abrasador e fomos empurrados dali.

From Lisbon to Croatia - dia 6 - Calignaia
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Calignaia
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Calignaia
From Lisbon to Croatia - dia 6 - Calignaia

C a l i g n a i a

Regressamos a Livorno. Tínhamos combinado com o Andrea um jantar num local típico. E não foi só típico foi magnifico! Osteria La Barrocciaia, na Piazza Cavallotti, 13, em Livorno um local que não podem falhar quando passarem por lá: boa comida, boa bebida e bom ambiente, simpático e descontraído. Bebemos vinho chianti da casa – que só se pagava a garrafa e como a mesma era enchida novamente sempre que pedimos mais, só pagámos uma mas bebemos bem mais que uma – e comemos mexilhões e outras especialidades locais. O pior foi levantar; não é que o vinho era mesmo bom?!!

From Lisbon to Croatia - dia 6 - Livorno
Os canais de Livorno mesmo à porta do "nosso" apartamento (situado à esquerda, na imagem)

Depois foi deambular por Livorno. Bolas que a noite (começa e) acaba tão mais cedo que em Portugal. Também era uma Terça-feira, por cá também um dia calmo no que diz respeito a divertimentos nocturnos. Acabámos por beber umas cervejas, deambular mais um pouco, fazer uns disparates e voltar a casa. Já vos disse onde era e que é magnífica e mesmo no centro nevrálgico de Livorno e que podem usar este url para a reservarem por uns inesquecíveis dias!?

O vídeo do dia


quarta-feira, 13 de abril de 2016

Regresso a casa molhado, é regresso a casa abençoado

Ontem, Ponte 25 de Abril...


Esperemos que hoje não nos abençoem tanto.
Ainda temos bençãos que sobrem de ontem.

quinta-feira, 31 de março de 2016

De Varazze a Livorno, por Cinque Terre - From Lisbon to Croatia - posta 7

Depois dos primeiros quilómetros em Itália e de encher os pulmões daquele país maravilhoso, para o segundo dia tínhamos delineado um percurso sempre à beira do Mediterrâneo, descendo da Liguria para a Toscana, com passagem obrigatória pelo Parco Nazionale delle Cinque Terre.

From Lisbon to Croatia - dia 5 - (perto de) Moneglia
Calor e mediterrâneo, estrada fantástica e Vespas!

Todos nós já tínhamos ouvido falar e visto fotos, das suas estradas recortadas, das suas pequenas aldeias à beira mar e, no tempo livre na travessia de ferry, decidimos que por aí seria o caminho. Não traçámos grandes percursos, nem tão pouco definimos estradas, horas ou destinos; íamos e logo se via onde parávamos e onde chegaríamos, sem stress, como sempre combinámos que seria esta viagem.

O primeiro grande momento deste dia foi chegar a Moneglia através da Estrada Statale 370.

Porquê?

Porque são quilómetros sempre à beira do Mediterrâneo, salpicados com praias, pequenas localidades e, na estrada, uma série de túneis que... só percorridos! Mal comparado porque cada sítio tem o seu local, se conhecerem a Ilha da Madeira, do lado norte existem uns túneis antigos que estão vedados ao trânsito. Estão a ver?! Em Itália estão ao serviço, com o trânsito normal do dia-a-dia e são um belíssimo cartão-de-visita! E depois o bom tempo, o sol, o mar e a vontade de parar e ficar logo por ali a aproveitar todo aquele cenário.

Mas com dificuldade lá fomos avançando.

Não pelo mau caminho ou pelas estradas em mau estado mas por todo o cenário. Ora parando para uma foto, ora circulando devagar ou mesmo parando à entrada dos túneis porque muitos deles só têm um sentido e quinze minutos de espera máxima, caso não ser a vez de avançar de quem segue no nosso sentido. Por mais túneis e paisagens e cheiros, cores ou sensações que se guardem na memória não se consegue descrever e, mesmo as fotos ou os vídeos, não vos conseguem transmitir tudo. Estávamos oficialmente embriagados com Itália!

From Lisbon to Croatia - dia 5 - Riomaggiore
Sem palavras: Riomaggiore

Quando nos tivemos que afastar obrigatoriamente da orla marítima porque deixa de haver estrada por aí, passámos para a serra e entrámos no Parco Nazionale delle Cinque Terre. Curvámos, perdemo-nos por querer sempre a estrada mais remota, desfrutámos e, das cinco aldeias que dão nome ao parque, fomos visitar Riomaggiore. Não por ser melhor ou ter algo a mais que as restantes quatro mas apenas porque era a que ficava mais a caminho. E, se são todas assim, vale a pena - tirando os muitos turistas e o very tipical das lojas que vendem recordações de uma passagem por ali. Mas, bolas, também o éramos ali e naquele momento. Certamente turistas diferentes dos restantes, nas recordações que trouxemos e nas sensações que procurámos obter mas mais uns turistas entre tantos.

Ficámos por ali a olhar. Para um lado, com as suas casas sobranceiras de cores pastel, para o outro, com os seus pequenos barcos de pesca e pescadores nos seus afazeres, para a frente, a ver quem se banhava e dava mergulhos verdadeiramente olímpicos dos penhascos. Não podíamos estar mais satisfeitos!

From Lisbon to Croatia - dia 5 - Riomaggiore
Óóóó diaaaaaaaaaboo...

O Rui serviu de fotógrafo numa sessão fotográfica deveras sui generis. Um "casal" que tirava fotos, primeiro, ela em grandes poses e de biquíni reduzido e fluorescente e ele de tablet em punho, escolhia os locais e os fundos mais apetecíveis. Depois, trocaram. Ele de calção, polo e sapato de vela e ela já de vestido - que entretanto o sol ia-se escondendo - envergando o mesmo tablet, fotografando-o em poses mais sérias e de homem responsável. A seguir, como tinham vindo para perto de nós e como se os planos individuais já os tivessem satisfeito, pediram ao Rui se lhes tirava umas fotos aos dois juntos. Tudo normal, não fosse o improvável do casal e o facto de ela parecer um ele mal disfarçado ou uma ela muito (mal!) retocada. Não, não somos homofóbicos ou outro nome feio que vos possa estar a ocorrer neste momento, somos apenas rapazes de bom gosto.

From Lisbon to Croatia - dia 5 - Parque Nazionale delle Cinque Terre
Subimos novamente até às Vespas, era hora de seguir. Estávamos sensivelmente a meio do caminho que tínhamos pensado fazer hoje e a "melhor parte" estava feita.

O dia passou ainda por La Spezia, fim do Parco Nazionale delle Cinque Terre e da estrada sinuosa e praticamente sem carros. Portanto, boa. Enveredamos pela E80, uma estrada recta e plana e com muito trânsito e camiões. Não tão boa. Mas, como foi feita quase totalmente a prego, passou a ser "divertida". Justificámos mentalmente o ir a fundo com o avançado da hora e de ter alguém à nossa espera.

Nesta estrada passámos "ao lado" de Pisa mas ainda não foi desta que visitámos a torre inclinada. Seguimos até Livorno, quase sempre a prego.

Inicialmente, quando estávamos a fazer os (poucos) planos para esta viagem e quando começámos a divulga-la aos amigos, resolvemos logo passar por Livorno até porque julgámos que iriamos ter a companhia, nesta parte da viagem, de uma grande amiga nossa, Italianíssima de Livorno. Mas infelizmente não foi possível. No entanto quem tem amigos tem tudo e indicou-nos um casal amigo e como amigo do amigo, nosso amigo é, contacto para ali, combinação para ali, arranjaram-nos alojamento, levaram-nos a jantar e tudo e tudo para que nos sentíssemos em casa: um grande bem-haja para a Clelia, Andrea e Silvia.

Com recepções destas ficamos eternamente em dívida!

E o dia acabou. Recolhemos, já tarde, ao nosso alojamento em plena baixa de Livorno, junto aos canais, na Scali del Pesce.

Se algum de vocês precisar de alojamento para aqueles lados não hesitem: http://www.airbnb.pt/rooms/3874323. Daquela janela temos Itália a nossos pés!

O vídeo do dia

O mapa do dia

Foi este sensívelmente o nosso percurso no quinto dia de viagem.
Cerca de 300 Km percorridos.